Pagar para falar

Quando decidi começar a ler o Ecologia da Joana Bértholo não sabia exatamente no que me estava a meter: iria começar a ler um livro que, se o tivesse de classificar, seria com esta palavra: potente. Será que teria de pagar muito por ela?

Joana Bértholo mostra-nos neste livro uma sociedade distópica – a nossa. A parte ficcional diz respeito ao ato de todas as pessoas do mundo terem de começar a pagar para falar. Durante esta leitura tive oportunidade de me rir, de me surpreender, de ficar chocada. A autora, em alguns momentos da narrativa (que não é linear), deixa-nos uma coletânea de coisas insólitas que aconteceram no mundo. Algumas dessas coisas eram tão estapafúrdias que acabei por ir averiguar por mim mesma do que se tratava. Simples: trata-se do mundo, muitas vezes sórdido, em que vivemos.

Falar desta e doutras formas começa a mudar a forma como as pessoas pensam, e mudar a forma como as pessoas pensam sobre o mundo é mudar o mundo.

Se eu tivesse lido este livro há uns meses atrás, não tenho dúvidas de que também o teria usado na reflexão que fiz aqui há uns tempos sobre linguagem. É muito interessante como a nossa mentalidade e modo de pensar está inteiramente ligada à nossa forma de falar. Que significados atribuímos às palavras? E quando as mudamos de contexto? E as línguas gestuais?

Esta é uma pequena aquisição para um Consumidor, mas um grande salto para o Mercado.

Aquilo que me fica mais presente na memória após a este leitura é isto: se em algum momento eu achava que era o dinheiro que controlava tudo no mundo, neste momento não tenho dúvidas: tudo se vende, tudo se compra.

Depois do choque coletivo, dos sentimentos de revolta, de um enorme vazio, da incompreensão, do ressurgir de um medo primário, incrustado e cedo, os que ficaram sobrevivem e ansiaram por rotinas. Voltar a funcionar.

Existem passagens neste livro que nos dão muito que pensar acerca do caminho que as nossas vidas, cada vez mais desumanizadas, estão a tomar. Embora tenha sido escrito antes da pandemia, Joana Bértholo quase que profetiza um grande acontecimento em que tudo se fecha, toda a gente desespera e o maior desejo é o regresso às rotinas:

Este livro fez-me questionar o sentido de várias coisas: o que é que estamos a fazer com as nossas vidas? Que sociedade é esta? Que caminho estou eu a traçar na minha vida? Será que quando o meu filho tiver a minha idade o ar ainda será respirável?

O mundo muda por dentro e por fora e a natureza humana continua sempre igual, embasbacada perante os mesmos dilemas.

Até que ponto é que já encaramos a violência de forma natural? Quanto vale a nossa privacidade quando a expomos nas redes sociais? Quanto valeria aquilo que escrevo neste blog se tivesse de pagar para o fazer? E se alguém estivesse sempre a meu lado a repetir o que eu digo para eu pudesse avaliar a forma como falo?

Se nunca leram este livro, leiam. É uma leitura que nos convida a fazer o pino para vermos as coisas de outra perspetiva.

Para finalizar, uma palavra para escrever a mente de Joana Bértholo: genial. Espero que não me saia cara.

Nota: Todas as citações deste texto são da autoria de Joana Bértholo, retiradas do livro Ecologia.

One Reply to “Pagar para falar”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s